dom, 19 de novembro de 2017, 4:30 am
MARIA POLITO: detalhes revelados de um assassinato ocorrido em 1900

MARIA POLITO: detalhes revelados de um assassinato ocorrido em 1900

418

Maria Polito era filha de camponeses italianos de origem napolitana. A família chegou ao Brasil no final do século 19. Assim como milhares de italianos, os Polito deixaram a terra natal fugindo da miséria e deslumbrados com promessas de riqueza numa terra distante. Em 1900, a tragédia abalou a família. Maria Polito (abaixo), uma moreno muito bonita, foi assassinada com 18 facadas. Não demorou muito para ser ‘beatificada’ pela população de Jundiaí. O túmulo dela está no cemitério Nossa Senhora do Desterro. Neste texto, o professor Maurício Ferreira, do Sebo Jundiaí, revela detalhes desconhecidos até hoje.

Antes do Brasil, os Polito passaram pelos Estados Unidos. Não se adaptaram. Decidiram vir para São Paulo. A mãe de Maria morreu pouco tempo depois e a garota passou a cuidar do pai, que era operário. Aos 18 anos conheceu o brasileiro Emílio Lourenço. Ele tinha 21 anos, era moreno de cabelos crespos e olhos claros. Maria Polito e Emílio se casaram no civil no dia 21 de junho de 1900. Como não conseguiram uma data próxima para a cerimônia religiosa, cada um seguiu morando em sua própria casa. Só depois do casamento na igreja é que o casamento seria consumado. Naquela época era assim que as coisas funcionavam.

Segundo o relatou do jornalista jundiaiense João Batista Figueiredo que era correspondente do  O Estado de São Paulo, Emílio era ciumento e machista. Ele desconfiava de Maria tendo o hábito de vigiá-la, indo à casa dela. Um dia, Emílio a passou a questionar a esposa sobre seu passado e foi surpreendido com a resposta que teve de Maria. Ela confessou que na adolescência, nos Estados Unidos, tinha sido violentada. O jornalista foi o autor de livreto (ao lado) lançado em comemoração à inauguração do capela construída 27 anos após à morte de Maria Polito. O livrinho era vendido no cemitério. A capela da italiana é a única cuidada pela Prefeitura de Jundiaí até os dias de hoje (abaixo).

 

       

Emílio ficou arrasado. Porém, controlou a raiva e voltou para casa, onde premeditou o assassinato de Maria Polito. Ele fingiu que tinha perdoado a mulher e a convidou para um passeio em Jundiaí, cidade que já conhecia.

No dia 11 de julho de 1900, pegaram o último trem e ao desembarcarem, caminharam pela estrada velha de Campinas, hoje rua dos Bandeirantes. Na última vendinha aberta, tomaram café e compraram biscoitos. O casal, de acordo com relatos de testemunhas, estava alegre. Pareciam namorados apaixonados que iriam apreciar a lua.

Emílio e Maria voltaram pelo mesmo caminho onde há 117 anos havia apenas chácaras. Nas proximidades do então Cemitério Municipal, hoje Cemitério Nossa Senhora do Desterro, subiram um barranco (hoje praça Nove de Julho. Na década de 40 este local tinha o nome de Maria Polito).

O casal permaneceu ali por algum tempo, vendo a lua e as estrelas, sentados na direção da vila Rio Branco. Emílio rompeu o momento romântico quando pegou uma faca e avisou que a mataria por causa do abuso que Maria havia sofrido. Depois, aos policiais, o homem contou que a jovem respondeu que ele fizesse o que bem entendesse já que ela não aguentava mais o tormento e a culpa pelo abuso.

Maria foi assassinada com 18 facadas. O corpo foi achado com as roupas levantadas. Ela morreu no segundo ou terceiro golpe. A faca perfurou um dos pulmões, causando hemorragia. Emílio contou que a mulher se debateu muito. Ele ainda levantou a saia dela e a golpeou nas nádegas. Depois, no rosto.

Emílio Lourenço passou o resto da noite em uma pensão na rua dr. Torres Neves (abaixo). Pela manhã seguiu de trem para Campinas, onde foi preso dias depois. Ele foi reconhecido por um empregado da Cia. Paulista mesmo depois de ter feito a barba e tirado o bigode.

O assassino foi transferido para Jundiaí. Ao sair do trem, foi escoltado da estação ferroviária até a Cadeia Pública, que ficava no centro da cidade (acima). O caminho foi feito a pé. Emílio foi acompanhado pelo promotor de justiça e 16 soldados armados, inclusive com baionetas nas armas: a população queria linchar o criminoso. Mesmo com todos os policiais não foi possível evitar as pedras lançadas contra Emílio.

O corpo de Maria ficou na capela do cemitério por cinco dias antes do enterro em uma cova rasa doada pelo prefeito. Era doloroso ver o corpo dela: mãos feridas e sujas de terra. A mão esquerda, aliás, ficou levantada dando a impressão de que Maria Polito pedia socorro (foto principal). Ela usava botas marrom, meias vermelhas e vestido escuro e estava com olhos e boca entreabertos.

Emílio Lourenço contratou um bom advogado de São Paulo para defendê-lo em seu julgamento que ocorreu menos de um ano após o crime. Souza Campos foi o advogado de acusação. O juiz Godoy Sobrinho o condenou a 30 anos de anos de prisão deixando a população de Jundiaí satisfeita por achar que a Justiça foi feita numa época em que homens que cometiam esse tipo de crime invariavelmente saíam impunes. O assassinato de Maria Polito repercutiu no país inteiro, numa época em que não existia telefone, televisão e internet.

Maria Polito não só recebeu de nossa cidade um jazigo e um sepultamento digno. Também ganhou a devoção da população que desde então passou a considerá-la santa devido às graças atribuídas a ela.

VEJA TAMBÉM:

ANTENOR SOARES GANDRA, CIDADÃO, MÉDICO E PREFEITO

HÁ MUITO TEMPO, A PRAÇA DO CORETO ERA ASSIM

PODE NÃO PARECER, MAS ESTA FOTO É DA IGREJA DA VILA ARENS

OS 50 ANOS DO VIADUTO SPERANDIO PELICIARI

UM ANJO DA GUARDA CHAMADO SOLDADO MOREIRA

UMA DOCE, SABOROSA E RECHEADA LEMBRANÇA: O FORMIGÃO

A HISTÓRIA DO PADRE CORINTIANO, O PRIMEIRO VIGÁRIO DA BARREIRA

RAUL ZOMIGNANI, O ‘ÁFRICA’, ARTISTA DE LÁPIDES E JAZIGOS

DEU PROBLEMA? DEU CONFUSÃO? CHAMA O 13!

DALMO, O JUNDIAIENSE QUE DEU O MUNDO AO SANTOS F.C

O PRATO DO DIA: SAUDADE DOS ANTIGOS RESTAURANTES

HÁ 143 ANOS, JORNAL NOTICIAVA FUGA DE ESCRAVO DE JUNDIAHY

DOMINGOS ANASTASIO, MÉDICO, MITO E SANTO

MILTON DOMINGOS, O COMENDADOR QUE ERA O CARLITOS DE JUNDIAÍ

UMA VIAGEM NO TEMPO, DE ÔNIBUS, POR UMA JUNDIAÍ QUE NÃO EXISTE MAIS

SUSTO, O SHERLOCK HOLMES DA PRAÇA PEDRO DE TOLEDO

AS NOITES DE JUNDIAÍ NOS ANOS 80, PELOS BARES DA VIDA

O CARRO NÚMERO UM DE JUNDIAÍ

ZÉ CARIOCA ERA JUNDIAIENSE DA ‘GEMA’

O VALE DOS GARIBAS E O AMOR DE HÉLIO LUNARDI PELOS ANIMAIS

HISTORIADOR DIZ QUE SOLAR EXISTIA ANTES DE 1862

EM VÍDEO, UMA HOMENAGEM AOS IMIGRANTES ITALIANOS

BOLÃO, AOS 64 ANOS, CONTINUA SENDO UM CARTÃO POSTAL DE JUNDIAÍ

A PAULICÉA VIVE NO IMAGINÁRIO DOS JUNDIAIENSES COM MAIS DE 40 ANOS

DE CAPELA ATÉ CATEDRAL, BEM NO CENTRO DA CIDADE

O ITALIANO QUE INVENTOU O SABOR DE JUNDIAÍ, A TURBAÍNA

ARGOS DO TRABALHO DURO, SUCESSO, RESPEITO AOS FUNCIONÁRIOS E FALÊNCIA

DOM GABRIEL, QUASE BEATO, FOI O PRIMEIRO BISPO DE JUNDIAÍ

A PONTE TORTA, QUE FOI DOS BONDES, É VÍTIMA DOS POMBOS E VÂNDALOS

QUEM FALTA FAZ O EX-PREFEITO E PROFESSOR PEDRO FÁVARO

DOCE LEMBRANÇA DE UM PRIMEIRO DE ABRIL COM MEUS AVÓS

EM 1975 COMEÇAVA A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA NOVE DE JULHO

NOS ANOS 1970, JUNDIAÍ COMEÇA A GANHAR SUPERMERCADOS

A PRAÇA DA BANDEIRA, NO CENTRO, VIROU TERMINAL DE ÔNIBUS

IPIRANGA E MARABÁ DAVAM GLAMOUR AO CENTRO DA CIDADE

HÁ MUITOS ANOS, OS CARNAVAIS DE JUNDIAÍ ERAM ASSIM…

A HISTÓRIA DE UM ITALIANO PASSA POR DOIS BAIRROS DE JUNDIAÍ

QUEM NÃO SE LEMBRA DO TRENZINHO DO PARQUE DA UVA?

VOCÊ SABIA QUE O LARGO SÃO JOSÉ TEVE UM BEBEDOURO?

O CÃO FERROVIÁRIO

A COISA PÚBLICA PARA UM CIDADÃO DA DÉCADA DE 1960

REGIÃO DA PRAÇA DA BANDEIRA ERA ASSIM

HOTEL DE LUIGI PETRONI FICAVA NA RUA BARÃO

VEJA COMO A PRAÇA DA BANDEIRA ERA NO FINAL DOS ANOS 1940

QUEM TINHA MEDO DA MARIA DOS PACOTES?

A CICA MARCOU A VIDA DE VÁRIAS GERAÇÕES

Comente!

Deixe uma resposta

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Comente!
  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Comente!